segunda-feira , 21 agosto 2017
Início / Sobre a Rosa Mística / Aparições de Rosa Mística

Aparições de Rosa Mística

Significado das Aparições

O principal aspecto das aparições da Mãe de Nosso Senhor JESUS CRISTO, como Rosa Mística, é, sem dúvida, a dor e preocupação da Virgem Mãe com os sacerdotes e almas consagradas, que Ela tem especialmente no Coração. Por isso na primeira aparição de 1.947, se apresentou vestida de luto, com a cor roxa, enquanto dos olhos lhe corriam lágrimas, a cair até aos pés. Nessa ocasião disse apenas três palavras: “ORAÇÃO, PENITÊNCIA, SACRIFÍCIO.”

Três espadas cravavam-lhe o Coração.

Depois a Santíssima Virgem deu o simbolismo das três espadas:
– A primeira significa as almas dos religiosos que atraiçoam a sua vocação.
– A segunda significa, a vida pecaminosa que levam muitos religiosos.
– A terceira, as traições dos sacerdotes e religiosos, semelhantes a Judas.

Sabemos, portanto, que Nossa Senhora apareceu a Pierina Gilli, sobretudo para admoestar os padres, as comunidades religiosas e todas as almas consagradas, que, de forma especial, estão mais chegadas ao Coração de JESUS CRISTO e de sua Mãe Santíssima. Muitos desses consagrados não possuem qualquer temor e, diariamente, ferem com a espada simbólica o Coração Imaculado de Maria, apunhalando-o cruelmente.

Cabe aos leigos rezarem incessantemente, fazer sacrifícios e penitência, pedindo a DEUS PAI que mande à Messe operários dignos. Devemos pedir santas vocações sacerdotais e a santificação de todo o clero. Essa oração deve ser incessante, constante.

Aparições mais importantes

Narra Pierina Gilli: “Estava eu a rezar o terço na minha capela. Apoderou-se de mim uma grande pena interior. Nossa Senhora, apareceu, inesperadamente, numa luz maravilhosa e celestial, e me disse:

– São as almas silenciosas, ocultas, reparadoras, sacrificadas e de orações, que sempre atraem a graça do Senhor. Quantas vezes Eu não intervim para trazer a mensagem do amor, mas os homens estão surdos à súplica insistente desta sua Mãe. (15 de Maio de 1.974)

-Todos os sacrifícios e sofrimentos, se a reta intenção os santificar, transformam-se em graças superabundantes para o mundo e, para a mesma alma, em superabundante mérito para o céu. (29 de Junho de 1.974)

Pierina disse a Nossa Senhora: Querida Senhora, no dia 13 de julho, aniversário de uma das vossas aparições, hão de vir muitos peregrinos a Fontanelle, a fim de lá passarem uma noite em oração e reparação, especialmente pelos sacerdotes, almas consagradas e pelas santas vocações. Enquanto eu ainda falava, Nossa Senhora fez-me ver num grande quadro uma enorme multidão e disse:

– Comunica a estes meus filhos que eu lhes quero muito e que as suas preces e sacrifícios de amor serão recompensados ainda na Terra com graças superabundantes, mas especialmente serão repletos de alegria no Céu ao verem brilhar em grandiosa maravilha estes seus sacrifícios de amor pela Santa Igreja.

E Pierina continua: Em certo dia tornou-se-me presente uma visão de alguns anos atrás (13-01-1.951), muito importante, na qual Maria Santíssima se havia mostrado em frente de uma porta de luz dourada e sobre cuja visão me fizera contemplar as inscrições: FIAT DA CRIAÇÃO, FIAT DA REDENÇÃO, MARIA DA CO-REDENÇÃO.

Desta vez não só tivera esta visão maravilhosa, mas, simultaneamente, ouvira um coro sublime que entoava salmos. Seriam eles os santos Anjos do Céu? A tal pergunta refulgiu a Santíssima Virgem com solene majestade e exclamou:

– É verdade, estes eram os santos Anjos. Feliz o homem que se entrega à proteção do seu Anjo de guarda e escuta as suas inspirações, porque ele tem sempre um grande cuidado com a alma que lhe é confiada. Quando, por fim, a alma vier a alcançar a felicidade eterna como prêmio merecido, ele virá buscá-la; com ele e com os coros dos Anjos pode a alma chegar, em celeste alegria, a DEUS PAI Onipotente.

– A bênção do Senhor desça sobre ti, sobre todos os filhos que me amam, sobre os objetos de devoção que levas contigo, e, esta bênção, unida ao meu amor materno, seja especialmente para os que recitam com diligência o santo terço e sobre o coração dos que trazem a minha medalha. (29 de Junho de 1.974)

Assim nos narra Pierina: Eram cerca de 13 horas e achava-me na capela a rezar o terço. Eis que, inesperadamente, apareceu a Mãe Celeste. Como sempre, cheia de beleza, de luz, de bondade, disse-me:

– Eu sou Maria, a Mãe da Igreja. Por esta Igreja, pelo Santo Papa, pelos sacerdotes e por todos os filhos da Igreja suplico oração, oração… a fim de que regresse aos corações o verdadeiro amor a DEUS e a verdadeira caridade.

Invocai especialmente a proteção do Arcanjo São Miguel, para que guarde a Igreja de todas as insídias ameaçadoras e a defenda. De fato, jamais a Igreja se viu em perigo tão grande como o de hoje. Rogo por ela continuamente. (08 de Setembro de 1.974)

Festa de CRISTO REI. Narra Pierina: Na capela, pelas 19 hs., estava eu a colocar as flores trazidas pelos peregrinos, quando surge, absolutamente inesperada, a Virgem Santíssima. Chamou-me e disse:

– Filha, vai anunciar a todos os homens o meu amor para com eles. Dize-lhes que o meu Divino Filho JESUS CRISTO me concede as graças para distribuir para eles, pois tudo dá à Sua Mãe.

– Vêde, este é o amor de DEUS. Desejo que ele penetre o mundo inteiro. Mais uma vez repito: Meus filhos, amai o Senhor e a Sua Mãe. Amai-vos uns aos outros com sincero amor fraterno. Ide à Santa Missa, reuní-vos na Igreja para rezar, abeirai-vos fervorosamente dos sacramentos para alcançardes a graça da fidelidade e proporcionar ao mundo o exemplo de cristãos autênticos. Fazei tudo isto, se vos quereis salvar: Oração, sacrifício e penitência. (13 de Fevereiro de 1.976)

Na aparição de 03 de setembro de 1.976, Nossa Senhora Rosa Mística, disse com toda a doçura:

– Pierina, quando os filhos devotos se reunirem… diz-lhes palavras de coragem, de confiança na oração…, pois, com a oração se alcançam as graças… Filhos, orai e não receeis, se o inimigo quiser obscurecer a luz do meu Divino Filho JESUS CRISTO.

– Eu acolho as orações, as súplicas de tantas almas, que depois, se transformam em graças de paz, de concórdia, de luz…

– E vós, filhos, que vos sacrificais para que se não perca a mensagem do amor…, tereis a maior recompensa em favores e graças do meu Divino Filho JESUS. Vivei sempre deste meu amor.

De tarde, enquanto Pierina rezava o santo terço, no dia 31 de outubro de 1,976, Nossa Senhora veio, de improviso e disse:

– Agora há tanta oração…, tanta generosidade de amor, qual fonte que dá sempre e não se esgota…, eis o que desejo dos meus filhos devotos… Amai o Senhor, pois, só desta sua infinita caridaade brotam as graças.

– Meus filhos, construí o amor fraterno… Amai-vos todos como desejais ser amados… Então sim, compreenderia o mundo como é belo saber amar…, é alegria genuína de paz nas almas e nos corações… (prosseguiu com muita doçura). Rilhos, venho sempre falar-vos de amor, e vós, filhos devotos da Mãe divina, vivei, falai de amor, espalhai em vosso redor amor generoso de conforto…

– Só no Senhor achareis a força, a confiança, o auxílio para viver realmente vida cristã, como realizadores e dispenseiros de amor e de paz…

– Ó meus filhos, acolhei e transformai o meu ímpeto de amor para com todos os filhos do mundo…, a todos quisera salvar para os trazer à luz do Senhor…, que é luz de caridade plena, de infinita misericórdia… É a hora do amor para com DEUS.

Em Montichiari, Maria Rosa Mística, indica-nos claramente e, com solicitude, o auxílio e a salvação:

1- Consagrai o dia 13 de cada mês a uma particular devoção mariana e nos doze dias precedentes recitai especiais orações como penitência e reparação.

2- Orai, fazei sacrifícios pelos sacerdotes e por uma autêntica renovação dos conventos no espírito dos Santos fundadores, orai pedindo a DEUS santas vocações.

3- Festejai cada ano o dia 13 de julho como especial dia mariano, suplicai auxílio para a santificação da Igreja, junto à Mãe da Igreja.

4- Uni-vos, a 13 de outubro, na Comunhão Reparadora contra a ingratidão, a frieza e relaxamento do espírito e pelos infelizes pecadores.

5- Dedicai, no dia 8 de dezembro de cada ano, uma hora de súplica ao Santíssimo Sacramento do Altar, na Igreja ou em vossa casa, para obter grandes e numerosas graças. Ao meio dia, celebrai, a Hora da Graça Universal.

6- Os numerosos e graves pecados contra a pureza chamam um dilúvio de castigos. Por isso, suplico ORAÇÃO, SACRIFÍCIO, PENITÊNCIA. Recomendo aos sacerdotes que infundam nas consciências dos fiéis uma forte aversão contra esses pecados.

Maria Santíssima, pois, nos roga e implora, com lágrima e três espadas no peito, mas também nos promete ajuda e salvação. Apareceu com a branca rosa do PAI, com a vermelha do FILHO e com a rosa áurea do ESPÍRITO SANTO, ouro puro de Caridade viva na Eucaristia, para triunfar sempre de qualquer pena e miséria humanas.

É justo, por isso, que Ela nos peça, em contrapartida, a oração de todos nós, penitência e expiação.

Poderá o amor misericordioso desta Mãe ser maior, mais claramente visível, mais comovente? Promete-nos além da renovação interior da Igreja, também a reconciliação na fé e a paz universal. Não é este o desejo da Igreja e de todos os povos?

Nestes tempos de angústia e sofrimento o nosso conforto está colocado nas palavras da Virgem Maria: “O meu amor abraça toda a humanidade.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *